sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

VAMOS BEBER CHICO!

Quando eu tinha quatro anos de idade, em 1967, ganhei de um tio um compacto simples, com duas músicas: Carolina de um lado e Tem Mais Samba do outro. Me disseram que a música havia sido feita para mim - e guardei o meu primeiro disco como um tesouro. Era a minha música e a minha história. O mesmo deve ter ocorrido às Lígias, Angélicas e Rosas.
Francisco Buarque de Hollanda nasceu no Rio de Janeiro, em 19 de junho de 1944, mas sua família mudou-se para São Paulo quando tinha dois anos - foi morar no Rio apenas em 1970, após seu exílio na Itália.
Chico foi nossa revolução, em tempos duros de repressão. Foi censurado por qualquer motivo, nos anos 70. Bastava aparecer na censura uma música de sua autoria para os censores tentarem a transformação para peritos - Chico escondia a revolução entre as linhas de suas letras - tempos de cuidados redobrados. A uma certa altura a coisa ficou tão difícil que nasceu Julinho da Adelaide para burlar a censura. "Julinho" compôs Acorda Amor e Jorge Maravilha - essa última carrega até hoje uma lenda, negada por Chico: enquanto Geisel queria o filho de Sérgio Buarque na ponta de uma corda, sua filha não perdia um único disco do compositor. Ou enquanto o compositor era preso, o policial que o prendia pedia um autógrafo para sua filha. Para quem foi? Tanto faz, Chico não perdia a chance de burlar a censura. Foi perseguido a cada passo, teve seus microfones desligados durante um show com Gil, quando foi apresentar Cálice ao público - mas tal qual Julinho, escorregava pelas mãos da ditadura usando tão somente sua genialidade.
Modelador de palavras, tem o dom único de descrever sentimentos como quem vive cada dor ou alegria - fala por nós - e não há quem, alguma vez na vida, ao ouvir suas composições, não tenha jurado que Chico esteve por um momento em sua alma para ter conseguido descrever a emoção indescritível. TEXTO COPILADO NA NET.