terça-feira, 14 de junho de 2011

Ocupação no PR

Grupo que luta por moradia popular


ocupa prédio desativado do INSS no PR

As manifestações do movimento acontecem em vários estados nesta quinta.
Manifestantes ocupam prédio desativado do INSS em Curitiba

.

.Publicidade....O grupo formado por 50 pessoas, ocupada desde a manhã desta quinta-feira (19) o antigo prédio do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) em Curitiba.O movimento organizado pela União Nacional Por Moradia Popular (UNM) reivindica que os imóveis e terrenos públicos desativados sejam destinados à moradia popular.



O dia 19 de maio foi escolhido pelo movimento como dia nacional de luta pela moradia popular. Manifestações públicas acontecem em vários estados.Um grupo representante da organização está em Brasília para negociar com o governo federal. O movimento apresenta proposta para que imóveis desativados sejam destinados a moradia popular.



São Paulo



Cerca de 40 pessoas da União Nacional por Moradia Popular faziam uma manifestação na praça da Sé, região central de São Paulo, na manhã desta quinta-feira (19). Segundo a Polícia Militar, o protesto começou por volta das 9h e era pacífico. Uma comissão negociava, por volta das 11h, a ocupação do prédio da Caixa Econômica Federal.





Desperdicio no Ceasa

Desperdício no Ceasa


Dona Iraci Andrade, de 70 anos, mora no Jardim Rochdale, em Osasco, e aprendeu a fazer a famosa sopa de cebola do Ceasa. A cada quinze dias vai à Ceagesp, na zona oeste, buscar cebola e outros alimentos que encontra no chão ou dentro das caçambas.

"Sustento os meus quatro netos com tudo que levo daqui. É muita coisa boa no lixo. Levo só para o meu gasto e também dou um pouquinho para os vizinhos , mas conheço gente que leva pra vender,abriu uma quitandinha..."


Dona Iraci classifica como pecado, o desperdício de alimentos no Ceasa.



Devanir Amâncio

Escute-me por favor!!!!

"Escute - me por favor"


Entre as mais de trezentas pessoas que gritavam na porta da Prefeitura , Centro, na manhã de segunda - feira 13/06, pedindo casa, ficou destacada a presença de crianças com seus apitos e megafones .

Os sem -teto voltaram para a favela Presidente Wilson , Mooca, na zona leste , sem ver o prefeito.


O despejo das 478 famílias está marcado para o dia primeiro de julho .
Devanir Amâncio

segunda-feira, 13 de junho de 2011

CEASA

O Ceasa pede socorro


Os problemas da Ceagesp/Ceasa, na zona oeste de São Paulo, começam no alto do monumento , plantado ao lado da poderosa superintendência da companhia de entrepostos, vinculada ao Ministério da Agricultura , Pecuária e Abastecimento : os quatro relógios , há mais de dois anos não funcionam ,e têm os ponteiros parados em horários diferentes.





Vergonhoso é o estado que se encontram as ruas do Ceasa /SP . Permissionários , caminhoneiros, e trabalhadores , em geral , sofrem com as condições de ruas esburacadas e sujas . Dizem que o centro de abastecimento é varrido somente à noite e lavado apenas duas vezes por ano .





-Os caminhoneiros reclamam do banho frio , que é gratuito. O banho quente custa 3 reais.



- Na rua 36 atolou até um caminhão , segundo os carregadores. Na rua 17 - em uma caixa sem tampa - caiu um idoso.





-Trechos do piso dos canteiros das árvores - reservados aos pedestres - ficaram intransitáveis.



-Para amenizar o problema, permissionários tapam os buracos com areia e cimento, e protestam . Pois já pagam caro por esses serviços.





- Os proprietários de boxes ainda apontam outros problemas como rachaduras e goteiras nos prédios.



- Cada boxe tem um custo mensal de , em média, R$ 2.800,00. O Ceasa tem 4 mil boxes , sem contar os 'box/pedra' , espaços demarcados no chão.





- Não é difícil encontrar na "cidade ceasa" uma rua sem bocas de lobo quebradas e entupidas com restos de frutas e legumes .





-Os quiosques de alimentação precisam urgente de uma visita da vigilância sanitária da Prefeitura. É preciso ter estômago anestesiado para tomar um café ou comer um lanche em alguns quiosques do Ceasa.



- Os" banheiros ecológicos" - para urinar - não são higienizados. O que é criticado pelos visitantes , inclusive turistas estrangeiros .Só é possível usar um , em último caso , com nariz e olhos tapados . Os equipamentos são descobertos . A ideia do banheiro sustentável é interessante . A mesma água para lavar as mãos é usada na descarga.







- Não existe nenhum programa de combate ou redução ao desperdício de alimentos no Ceasa.





-Na "cidade ceasa" o principal veículo de informação não é jornal , internet ou televisão, é o rádio.



Vale lembrar que, pavimentação e limpeza do Ceasa , bem como outras benfeitorias no espaço, são obrigações da diretoria da Ceagesp -Companhia de Entrepostos e Armazéns de São Paulo.



Caixaria no Ceasa


Caixeiro monta caixas de frutas e legumes na Ceagesp ,em São Paulo.




Cada caixeiro ganha R$ 70 e monta em média mil caixas por dia.



Devanir Amâncio

Devanir Amâncio