sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

OBRA INACABADA!

AINDA NÃO TERMINEI, MAS ESTOU ANSIOSO PARA DIVULGAR, POR ISSO DEIXAREI ESTE FINAL DE SEMANA ASSIM E NA SEGUNDA DEVO COMPLETAR. OBRIGADO!

Deriva do grego, kakophonia, som desagradável ou palavra obscena que resulta da ligação das letras finais de uma palavra com as letras iniciais da palavra seguinte.

Em minha opinião não apenas palavras obscenas, mas encontros de palavras soam como um cacófato, bacana também, nem sempre desagradável.
É bom ter isto em mente…
-Olá, tudo bem? Como tá tú?
-Não como você, mas estou na luta!
Já ouviu algo parecido?
Com certeza, sim.
No dia-a-dia, sempre teremos esta sonoridade presente e constante aos nossos ouvidos, pare para conversar com um amigo e perceba que todos têm alguma frase assim, dizem ser de duplo sentido, mas nem sempre são.
Muitas vezes, ao falar fica normal, como a frase acima, mas na hora de escrever, nessa hora sim a coisa muda.
O que dizer disto?
-Sem horas e sem dores!
Para quem está distraído, serve como sendo um singelo, “senhoras e senhores”.
Mas vamos ao que me trouxe aqui, já ouvi histórias e estórias sobre o assunto:
Tenho um amigo, parceiro mesmo de coração, sambista nato, cheio da graça, conheceu uma menina, não que ela tenha um nome difícil, mas as crianças geralmente encurtam os nossos nomes, por conta disto ela era chamada pela garotada de pura, simplesmente e carinhosamente como a Tia Bú.
Esse amigo “bond lábia” chegou e lançou:
-Olá Bú, cê tá boa? Ela disse:- Sim!
Estão juntos até hoje, já se passaram uns oito anos.
E por falar nisso, o menino foi na casa procurando “pela dona” Busse, tocou a campainha e um rapaz, chamado Woodyh, vizinho de dona Busse atendeu:
O menino indagou.
-Dona Busse tá?
-Não!
-E os filhos de dona Busse tão?
-Não, dona Busse não tem filhos!
-Obrigado, pensei que dona Busse tinha!
Este menino era um garoto muito esperto, em conto de fadas ele não acreditava em nenhum, disseram que a tal fada realizaria os seus desejos.
-Essa fada? Isso é conversa! Cadê ela?